O Que é o Protocolo HART?

O Que é o Protocolo HART?

Nós vivemos em um momento de grande desenvolvimento da automação industrial. Neste cenário, a comunicação entre sistemas em tempo real se tornou uma necessidade, e foi daí que surgiu o Protocolo HART, um protocolo bidirecional com uma enorme variedade de aplicações em campo.

HART é a sigla para o termo em língua inglesa Highway Addressable Remote Transducer, que em português significa Via de Dados Endereçável por Transdutor Remoto. Em suma, é utilizado em plantas industriais para controlar tanto o envio, quanto o recebimento de dados digitais por meio de cabos analógicos entre sistemas centralizados (host) e também dispositivos inteligentes.

A história do Protocolo HART 

A história do Protocolo HART data da década de 1980, quando a Rosemount Inc. notou a necessidade do desenvolvimento de uma comunicação entre sistemas que acontecesse em tempo real. Na época, foi o primeiro protocolo de comunicação bidirecional digital que não afetava o sinal analógico.

Depois de alguns anos, os direitos foram liberados e, em 1993, os dados do protocolo se tornaram abertos e disponibilizados gratuitamente para qualquer tipo de fabricante que desejasse utilizá-lo. Neste momento, o padrão foi então disposto na HART Communication Foundation. Hoje, o sistema é mundialmente conhecido pela grande quantidade de aplicações no meio industrial e passa sempre por revisões e aprimoramentos, sempre buscando um serviço cada vez melhor.

Benefícios, aplicações e funções na indústria

Como já citado, as aplicações do Protocolo HART na indústria são muitas. O mais interessante desse sistema é que ele funciona por meio de uma relação mestre/escravo. Ou seja, o “escravo”, que é o instrumento de campo, somente responde ao “mestre”, quando for questionado.

Confira algumas aplicações e funcionalidades dos comandos do protocolo:

  • identificação de endereço polling, TAGs, descrição, mensagem, data, etc;
  • corrente de loop, PV, SV, TV, QV;
  • comando 9, onde o usuário escolhe o código da variável a ser monitorada;
  • calibração da corrente de loop;
  • configurações da PV;
  • reinicialização do equipamento;
  • corrente de saída fixa;
  • modo burst.

Na versão 7 do protocolo foi implantada uma novidade bastante interessante para os usuários, a definição de um modelo sem fio, o WirelessHART o que trouxe ainda mais benefícios para as plantas industriais da atualidade.

Se você gostou deste artigo e quer saber mais sobre o universo da automação indutrial continue acompanhando o blog da Murrelektronik!

 

Facebooktwitterlinkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.