diagnóstico de máquinas

A importância da disponibilidade e diagnóstico de máquinas

Você já parou para pensar o quanto sua indústria poderia ganhar em produtividade se você investisse em tecnologias que te oferecessem um diagnóstico de máquinas rápido, tecnológico e eficiente? E quantas informações poderiam ser coletadas do chão de fábrica se utilizasse um protocolo de comunicação ideal?

Que sua fábrica ganharia com produtividade e competitividade isso é certo, mas antes de falar sobre esses dois fatores tão importantes, precisamos dar um passo para trás e falar sobre como as indústrias brasileiras enxergam o conceito de instalação de máquinas. Aí sim, poderemos entender o que precisa ser feito para que alcancemos a tão sonhada alta disponibilidade.

Conceito de instalação por cabeamento

Há algumas décadas as fábricas realizam a montagem de painéis basicamente no mesmo padrão: um painel com muitos componentes centralizados, e sensores e atuadores espalhados, o que dificulta o diagnóstico de máquinas.

Este conceito de fiação e instalação pede uma quantidade grande de cabos para trazer informações de sensores e atuadores o que, consequentemente, exige a utilização de inúmeras caixas de passagem. Isso requer muitas emendas de cabos e fios, uso de bornes com pontos de conexão de entrada e saída, além de trilhos, prensa cabo, e muitos outros componentes necessários para que o processo funcione.

Quando chegamos ao painel, geralmente encontramos outros bornes de entrada e saída de fios, ou seja, são ainda mais identificações, terminais, conexões via parafuso, entre outros detalhes que só consomem tempo de instalação, geram gastos excessivos na operação e tornam o diagnóstico de máquinas ineficiente.

Quais as consequências de utilizar IO discreto na instalação?

Estes conceitos de instalação aumentam a probabilidade de falhas, curto-circuito, vibração e interferência no sinal vindo das máquinas, graças ao excesso de fios.  Um bom exemplo é a imagem do painel abaixo, que com 64 sensores e atuadores, requer 450 pontos de conexão realizados por bornes para funcionar – o que levaria em torno de 15 horas e meia para ser finalizada (sem contar o tempo de parametrização de outros componentes do painel).

Além disso, a ligação ponto a ponto acumula calhas cheias de cabo mal acomodados, que podem ser rompidos, e fiações supercomplicadas que geram dificuldade na localização das falhas, dando ainda mais trabalho para a manutenção.

Leia também: DIGA: Diagnóstico rápido, fácil e na palma da mão

Como ter um bom diagnóstico de máquinas?

Para evitar manutenções corretivas, uma possível solução é utilizar redes no campo. O protocolo de rede, seja ele qual for (Profinet, Ethernet IP, entre outras), agora está disponível no chão de fábrica, o que acaba com a necessidade do uso de bornes e interfacemento com reles para proteção, por exemplo.

O protocolo de rede permite que se faça uma conexão próxima dos IO’s no campo, por meio de módulos com grau de proteção IP67. A ligação destas conexões é feita por meio de um único cabo de rede que reduz a quantidade de falhas causadas pelos cabeamentos emendados e torna o diagnóstico de máquinas excelente.

Na instalação descentralizada exemplificada acima, o painel ganhou muito mais espaço e menos pontos de conexão precisaram ser utilizados. Ao contrário do primeiro conceito de instalação, este levaria apenas 15 minutos para ser configurado – um ganho de tempo e mão de obra sem igual.

Cube 67: 32 cartões de IO com um único nó de rede

O Cube 67 te permite ter conexões com proteção integrada e fácil comunicação para o diagnóstico de máquinas.  O sistema fieldbus de IO remoto trabalha com diversos tipos de rede, conversa com variados CLPs do mercado e pode ser instalado em campo ou em módulos, braços mecânicos e canais da instalação.

Segurado com o grau de proteção IP67, a tecnologia garante o funcionamento do módulo em situações extremas na indústria, além de oferecer um diagnóstico rápido e integrado. Além disso, se qualquer sensor ou atuador tiver um curto-circuito ou sofrer uma sobrecarga, você terá o diagnóstico no bit – obtendo a informação de qual módulo, M12 e/ou pino falhou.

Leia também: Cube67: A solução para a parada de máquina no chão de fábrica

Diagnóstico precoce gera alta disponibilidade

Ao contrário do IO discreto, que se sofrer falhas precisa de um trabalho investigativo para encontrar o problema na operação, o IO remoto te faz economizar tempo, dinheiro e te dá muito mais praticidade para o diagnóstico de máquinas.

Isso quer dizer que, com tecnologias de automação, sua indústria ganha alta disponibilidade e alta competitividade com um mercado tão agressivo.

A Murrelektronik presta consultoria e analisa projeto por projeto, para indicar a melhor solução para cada cliente, de acordo com a necessidade da planta. Fale com um especialista e solicite uma visita. 

Assista à palestra de Raphael Callegari sobre disponibilidade de máquinas para o Technology Days: https://www.youtube.com/watch?v=PmyyCiRQTp8

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.